domingo, 27 de setembro de 2020

O conceito pós-moderno de relação fast food tá pegando bem na crise

Tem um ponto nessa crise que vem pegando muito, mesmo, embora diante da fatalidade da própria pandemia acabe por perder relevância.

E não é pra menos, pois é a vida como se tomada de chofre e sem prévio aviso, deixando inclusive as pessoas que ficam sem chance para ver, despedir e nem mesmo para chorar seus entes queridos.

Nesse clima todo, um aspecto muito interessante é o que vem mostrando as estatísticas, ou seja, que nunca houve antes um percentual ou número de separações de casais tão grande, tão acentuado como agora.

A convivência ‘na marra’, quando nem sempre ou nunca experimentaram antes um nível assim, deixa cada um sem saber o que fazer consigo mesmo e muito menos com o outro, daí os conflitos são inevitáveis.

O desafio é grande, provavelmente gigantesco em muitos casos, mas é perfeitamente possível administrar, em superar. É importante situá-lo neste contexto radical em que estamos todos inseridos, o que facilita, e muito, ver as coisas.

Casamento algum é um processo acabado em si mesmo, nenhum nunca o é, já que é dinâmico como cada ser, logo, é uma rara relação mutante mesmo e que carece de muita atenção e cuidados, tanto consigo mesmo, como pressuposto fundamental, assim como com o outro e com a relação em si mesma.

Mas é perfeitamente possível. Já que na realidade, assim mesmo é que é.

A cultura fast food que vem dominando mais e mais os corações e mentes das pessoas hoje, cria a atitude mental que acaba se revelando em tudo o mais na vida e pega bem nas relações.

Só que, no fundo não somos assim, daí a dor.

Dê uma olhada nesse linque e confira algumas dicas da hora [simples como todas relevantes], que sempre são bem oportunas.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

sábado, 26 de setembro de 2020

Como ter um bom vizinho, mesmo não o tendo escolhido. Tudo a ver com a quarentena

É um artigo interessante e bastante oportuno, tendo em vista o convívio intensivo e prolongado entre vizinhos com todos os seus mode d’emploi, modus vivendi e operacionalidade toda no cotidiano, de forma bem mais intensiva que a usual em função da quarentena.

Logo uma reflexão sobre isso surge na hora, quando vamos perceber que é bem mais fácil do que parece à boa convivência, ou como diz o título deste artigo em um blogue nosso:

        “Como ter um bom vizinho mesmo não o tendo o escolhido.

Existe um ditado que diz: “O melhor a fazer para se ter um bom vizinho é manter uma boa cerca”.

Parece uma visão meio pessimista, mas, sabedoria do povo é “sempre sábia”. Ainda não perdemos aquele instinto animal da noção/necessidade de território, e a sua invasão seja ela física ou subjetivo/existencial gera, no mínimo, um grande estresse e muita animosidade.

Portanto, construir uma “boa cerca” significa estabelecer uma relação respeitosa com a observância das normas legais, normas da boa convivência, de reconhecimento e respeito territorial, seja ele físico/espacial: som alto e barulhos em horários impróprios (cuide das necessidades do seu cão); psicológico/sociais: cordialidade e deixar que o vizinho cuide da vida dele sem mexericos e fofocas são atitudes ou elementos essenciais para compor uma “boa cerca”.

Estas observações parecem tão óbvias como desnecessárias, não é verdade? Mas, não é o que se vê por aí, principalmente com a urbanização excessiva e o amontoamento – literal – das pessoas em apartamentos pequenos com pouco isolamento acústico, o que faz com que viva a cada dia mais próximas e com perde crescente de privacidade.

Se as condições de moradia postas nas grandes cidades, por exemplo, são estas, é necessário que se crie novos procedimentos imprescindíveis para uma convivência mais tranquila e harmoniosa.

No mínimo que se atenha aos princípios legais do silêncio, do uso do espaço comum nos prédios e condomínios, inclusive no aspecto lixo e cuidados com a manutenção e preservação do patrimônio comum, que só é comum no que se refere ao uso ou usufruto coletivo, não conferindo, portanto a ninguém em particular qualquer privilégio pessoal sob qualquer pretexto.

Pense nisso!

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

* 

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

A baixa autoestima nacional está detonando aspectos importantes da cultura e do ser

Sabemos que por aqui nem tudo anda lá essas coisas, como se diz, mas em que pese o quadro, não parece inteligente se alinhar nesta lista bizarra em que andam tornando o país, e passar a se considerar um pezinho da alface murcho, sobretudo como nacional, como brasileiro.

É isso, embora ninguém confesse nem para si mesmo, é o que anda rolando no fundo dos corações e mentes de muita gente. O que torna o sonho de ‘mudar o nacional’, não apenas uma brincadeira de mau gosto.

Então, temos história, e temos cultura valiosa e motivos mil para continuar nos orgulhando de nós mesmos e do Brasil, de continuar lutando, fazendo a nossa parte para resgatar, para trazer esse país de volta.

Veja o que diz o escritor Alberto Mussa sobre isso. Confira!

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Ser negro..., o seu delito

Ohio/EUA. Este hombre estuvo en prisión durante 40 años, condenado por una Corte Federal luego que un niño había testificado que lo había visto en el lugar de un crimen. Ahora su inocencia fue demostrada y queda en libertad.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Livre pensando...

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

terça-feira, 22 de setembro de 2020

Será se corrupção é um conceito tão conhecido assim?

Lembra-se das manifestações dos amarelinhos nas ruas contra a corrupção, daí o pedido de impeachment da Dilma?

Então veja as frases ditas à época, mas a mídia associada jamais mostraria.

(...) Os manifestantes a favor do impeachment, no entanto, adotaram os dois como mascotes.

“Cunha mito, meu malvado favorito”, gritavam pessoas em frente ao Congresso.

“Temer, ladrão, roubou meu coração”, gritou outro (...).

Então, apesar de conhecerem a “folha corrida” dos dois... Quais seriam mesmo os tais delitos? Claro que a grande maioria foi tipo ‘maria vai com as outras’ com suas camisas amarelas ridículas como gado padronizado, não tinha a mínima ideia do que efetivamente estava fazendo.

Mas o impeachment, a eleição – manutenção – do imbecil no Planalto não seria hipoteticamente para combater a corrupção e salvar o Brasil?

Como disse o empresário:

Sérgio Manuel de Lima. “Acordamos a tempo de salvar o Brasil da corrupção para sempre. E pensar que foram apenas alguns domingos na rua com a camisa da seleção para resolver tudo.”

O Temer que assumiu o poder no pós-golpe, que começou a detonação, entrega do país [poderia ser o Cunha], porque não está fazendo companhia ao Cunha na cadeia, e sim gozando o que levou? Prêmio pelo bom papel comprido?

Então, o que seria mesmo a “corrupção”*.

É notório que se um princípio define o conceito de fascismo, é o “combate à corrupção”. Claro que como retórica pura, já que aquilo que o define efetivamente, é o velho ditado popular: ‘Fica sentado sobre o rabo e fica falando do rabo do outro’.

No caso da Dilma, quando não vê [o rabo], inventa.

*Ela costuma muito rolar no varejo..., no cotidiano d’agente, sem que seja reconhecida como tal, embora possa parecer fugir do conceito clássico. Sem falar nos casos explícitos através do voto.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Cabe bem o dito: Casa de mãe joana. O Brasil para os EUA hoje com o seu chanceler folgado

Nos EUA

A coisa vai chegando assim, de leve, com o apoio irrestrito da mídia de sempre [que cuida de suas finanças] disfarçando as coisas com sua produção alienante e dispersiva e quando se vê..., já foi.

É o caso da invasão do Brasil pelos EUA em sua nova experiência/versão de colônia pós-moderna. Isso agora na aparência, pois a consumação se deu efetivamente com o Golpe de Estado na Dilma e a efetivação da excrescência como governo, o Temer.

A situação está tão tranquila e segura que eles agem como se estivessem efetivamente em casa [e o fato é que estão!].

É o que ilustra este chanceler dos EUA, que chegou aqui agora como se em casa, para dar uma olhada ou conferir as terras cedidas pelo ‘de plantão’ no governo em Roraima, para servir de ponta de lança para sua intervenção militar na tentativa de depor o presidente do país vizinho, a Venezuela.

Comemoração da independência dos EUA na embaixada [veja detalhe no bolso]

Isso não existe, ou melhor, nunca existiu antes uma situação diplomática assim em lugar algum, isso partindo do pressuposto que nós ainda preservássemos o caráter de país autônomo, independente.

Mas como a situação é outra, tudo rola assim mesmo, na maior normalidade. Tá tudo em casa.

E ele tem certa urgência, já que o motivo inicial, agora [já que o efetivo é o petróleo] da intervenção no país vizinho, é eleitoreiro [eleição em 3 de novembro próximo], ou seja, funcionar como a fakeada do Bozó aqui e conseguir comover/convencer ao imbecil de lá que elegeu e mantem o Trump.

Nas imagens dá pra perceber que o ‘pau mandado’ daqui nunca tentou disfarçar sua subserviência, inclusive é prodigo em falações neste sentido.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

domingo, 20 de setembro de 2020

As plantas sumiram e com elas beleza e qualidade de vida

A tal da modernidade costuma trazer muita coisa boa, é claro, mas também leva embora, ou no máximo tenta substituir algumas práticas ou valores em si não substituíveis.

É o caso das plantas e flores. Sobretudo das plantas.

Sempre foi um grande fator de beleza e qualidade de vida em praticamente todas as casas ou residências, mas a tal da vida moderna com seus atrativos mil e a aceleração do relógio no cotidiano, cassou o mandato das ditas cujas.

Dá para premiar uma casa em que se encontrem plantas. Um simples vaso de plantas. É verdade. Hoje, no máximo, quem gosta mesmo, compra de quando em vez, como se diz, algum vasinho de flores e/ou planta, mas que não demora vai fazer companhia aos sacos de lixo na porta.

Veja novidades sobre plantas: Plantas trazem mais do que estética ao seu ambiente, segundo pesquisas NASA

É que, quando começam a ficar feias, aspas, são simplesmente descartadas e podem no máximo ser substituídas por outras da flora. Onde há de convir que a variedade e beleza está muito aquém das possibilidades.

A moda saiu, ou caiu, e o tempo sumiu ou escafedeu-se na luminosidade hipnótica das telinhas dos smarts. Logo não sobra tempo pra mais nada no cotidiano, no geral, agora..., magina pra sujá as mão de terra cuidano de umas prantinha besta?

De qualquer maneira se quiser dar uma olhada nesse universo meio esquecido, aí quem sabe se inspira...

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

* 

sábado, 19 de setembro de 2020

Mais que uma expressão já bem usada até pelo ‘vulgo’, é uma ideóloga radical e ruim

“O fascista fala o tempo todo em corrupção.

Fez isso na Itália em 1922, na Alemanha em 1933 e no Brasil em 1964. Ele acusa, insulta, agride como se fosse puro e honesto. Mas o fascista é apenas um criminoso, um sociopata que persegue carreira política.

No poder, não hesita em torturar, estuprar, roubar sua carteira, sua liberdade e seus direitos.

Mais que corrupção, o fascista pratica a maldade”. N. Bobbio 

Norberto Bobbio foi um filósofo político, historiador do pensamento político, escritor e senador vitalício italiano.

Defensor da democracia social-liberal e do positivismo jurídico e crítico de Marx, do fascismo italiano, do Bolchevismo

Fonte: Wikipedia

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

As coisas andam tão “mornas” no cotidiano que é bom recordar. No caso, sobre Moro

Lembra-se da genialidade do Moro, quando ele fez [ia dizer o delito] o mestrado e doutorado em 3 anos, ou 36 meses, quando o mínimo exigido pelo MEC é de 24 meses, 2 anos, para o mestrado e 48 meses, 4 anos, para o doutorado? Ou seja, no mínimo 62 meses ou 6 anos?

Então, não se tem registro de fenômeno assim nos anais do MEC, e da lei, diga-se de passagem.

Lei como princípio violado e recorrido, mas como não houve, tornou-se um novo paradigma apenas para seres de genialidade exacerbada, excepcionais ou coisa que o valha, como este ídolo de tanta gente.

Veja estas pérolas:

  - Professor diz que formação de Moro deve ser investigada, ‘fortes’ evidências recomendam...

  - Formação acadêmica do moro e sua fixação ‘doentia’ em Lula deveriam ser investigadas

Será se rolou uma orientação, tipo circular interna, colocando como pré-condição ou pressuposto para ser admitido no ‘governo bolsonaro’ [ia dizer corja] tinha que ter um currículo falso [o caso da Damares que se formou no céu], parcial ou totalmente, até mesmo com familiaridade com folhas corridas explícitas [o caso do Ônix] e ninguém ficou sabendo?

Como fazem parte daquilo desde o inicio, tanto o Moro, pelo visto que é a mais primorosa, e o Deltan, que caiu rapinho de sua pós em Harvard (EUA) assim que se tonou público.

É que foi praticamente uma unanimidade. Deve ser para não conflitar demais com o baixo nível [quase nenhum] de formação do chefe.

Mais sobre o mesmo, digo, moro.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Quem morreu tá morto, o importante e salvar quem tá vivo..., diz o ditado. E o ex-marido multifuncional da Flordelis?

Pra onde foi a tal da pastora evangélica a Flordelis? A membro família “cristã” multifuncional, que se cansou e, literalmente, matou o marido multifunção?

Ela sabia o que estava dizendo. Disse que não estava preparada para ser presa e, simplesmente, não foi. Dá procê? 

Porque a mídia tão zelosa parou de falar no assunto?

Sabia que ela continua tranquila e serena em seu empreguinho tirado das costas do povo, como parlamentar no Congresso Nacional?

Pois é. Os carinhas dos dois xampus e o do galo e da galinha, que não passaram no pente fino da zelosa justiça, via a instância maior, o STF, decidiu... Este, do galo/galinha, graças a eficiência à época do novo presidente, o Fux.

Se votou no Bolsonaro... , toma que a filha é sua. É um produto cuspido e escarrado de seu governo [eleita na esteira de sua eleição] como uma grande quadrilha de bandidos impunes que é.

Atentado à bomba em casa de testemunha do caso Flordelis faz um traço da justiça abrir o olho.

(...) O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) pediu o afastamento da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) de sua função pública como parlamentar, com aplicação de recolhimento domiciliar noturno e monitoramento por tornozeleira eletrônica, em documento assinado em 11 de setembro, pelo promotor Carlos Gustavo Coelho de Andrade. (...) Carta Capital

Mas, né nada não. É só uma pulseirinha no tornozelo..., vai que ela não gosta e, também, não usa.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Lembrando ‘traços’ da personalidade do Bolsonaro que justificaram o voto

A cada dia fico mais abismado, como se diz.

Lembra-se deste sintoma do passado?

“Os livros hj em dia como regra. São aquilo. Um amontoado de um monte de coisa escrita.”

Como pode tanta gente boa [sei, mesmo...], que se tem em alta conta e vive arrotando sabedoria e vantagem por aí, ter votado, mesmo, em um lance assim...

Não, não foram enganadas, pois ele nunca escondeu o que era. Não porque posasse de honesto ou coisa que o valha, mais porque simplesmente não sabe ser diferente e nem tem capacidade cognitiva para elaborar um papel ou uma fantasia mais convincente [se bem que funcionou].

O incrível é que lances assim seriam inócuos se não refletissem uma mentalidade doentia e tacanha, que de prepotente que é, mesmo que nas filigranas das decisões insiste em governar, e assim distribuindo insanidades altamente deletérias à vida ordinária da população.

Já que as decisões mais sérias são tomadas em outros níveis “mais altos, oculto/dissimulados e externos”. Quando muito ele posa de governo efetivo falando com um ponto no ouvido.

Que estes desmandos em todos os níveis podem até mesmo não chegar à vida de muita gente que se tem como vacinada. Espera-se..., mas pelo andar da carruagem, se não for um sócio efetivo do sistema..., como diz o outro, Deus cuida!

Se é que “ELE” vai querer se envolver nisso.

    Obs. Contra os livros ele, o Bozó só está, como sempre, sendo mais explícito, mas não inovou em nada, o PSDB tem grande experiência nisso.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Cultura? Então, a educação tava com saudades..., pediu pra esperar

É isso. A nova desreforma. Não sei se existe, mas reforma já pressupõe mudança para melhor ou aperfeiçoamento, logo... é sobre a nova estória da educação em São Paulo, via Doria /PSDB.

O Brasil efetivamente tem sido passado a limpo para se adaptar à sua nova realidade, nova cara, sobretudo na área de educação e/ou cultura, quando trabalhador comum, nas pontas de produção industrial/comércio, não precisa mesmo de uma formação mais..., formação. Entendeu?

É como o sonho de um político da casa que disse outro dia: “Se não tem dinheiro, não estuda”. Simples assim.

E o PSDB & Cia leva este princípio ao pé da letra. Deve estar querendo criar um fato consumado para inviabilizar as Universidades Estaduais torná-las inúteis, obsoletas, sem função..., no médio longo prazo.

Basta saber ler escrever direitinho e algo mais específico na sua área técnica [tipo saber apertar bem o parafuso], para suas funções na ponta, ponta da indústria, não outra, é claro, já vai ser mais do que suficiente.

Acho que o PSDB só estava esperando um climazinho mais maneiro para desengavetar ‘suas medidas encurtadoras’ da educação no Estado, mas, também, o Estado vem fazendo jus a este cuidado todo, já que provou por a+b+c que está pronto mesmo, já que mantem uma quadrilha como nunca houve nada parecido na história do poder no país, em já passando dos 30 anos.

E com certeza, vai aceitar para seus filhos esta educação chinfrim assim, pois conforme as leis de diretrizes e bases formal, diríamos, ele, o Estado, é obrigado a se ater às normas que garantiam a formação técnico /profissional mínima para os professores via universidades.

Agora, o povo/eleitor paulista está mais do que pronto e bem afinado com o novo brasil, já que, com certeza, também via PSDB, tem os pés e as mãos no governo destruidor do país que se acantonou em Brasília.

(...) Nesse caso, aquelas pessoas com cursos de complementação pedagógica ou consideradas com notório saber poderão atuar como professores do ensino médio, sem a necessidade de uma certificação de licenciatura (...).

Então, né. É por aí. E São Paulo vai debutar.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Armas que têm grande poder de matar coletivamente

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

domingo, 13 de setembro de 2020

Eleição ainda funciona como incipiente exercício de aprendizado cívico. E a que custos...

O que explica ou justifica o fato de este carinha estar estacionado aí, é porque foi identificada em pesquisas relativamente recentes, deficiência física grave em neurônios ativos o que se reflete em atividades regulares no cotidiano.

Mesmo assim ele quase foi eleito presidente da República, embora tenham desparecido, como se por encanto, todos os seus mais de 51 milhões de eleitores ou 48% dos votos.

Foram identificados depois vestígios seus, destes eleitores, nas últimas eleições presidenciais, e desta vez com a eleição de outro do gênero, ou seja, usuário regular de dois neurônios.

Mas, como o caso ou a patologia neurológica vem se agravando, ele, este último, vem exorbitando de forma acentuada em suas loucuras imprevisíveis.

Obs. Com a continuidade das pesquisas nessa área, tentam identificar os fatores que levaram a tantos eleitores a tomarem uma atitude assim, continuada ou repetida, o que, pelo menos em tese, fugiria ao uso regular de qualquer traço de racionalidade.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

sábado, 12 de setembro de 2020

Qual legenda você daria para esta imagem?

O Heleno..., só pode ter feito curso.

Aliás, não é o único especialista em caras e bocas, só o mais aplicado ao lado do BozÓ.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Aposentadoria por estar de saco cheio do trabalho ou preguiça. Punição grave para juíza.

Finalmente uma boa notícia nestes tempos, como poderia dizer? Meio adversos?

Se anda meio que de saco cheio de seu trabalho e que não aguenta mais esta rotina medíocre todo dia..., então é só pedir aposentadoria. Isso mesmo, pedir aposentadoria.

É que já tem jurisprudência no país [só falta estender pelas CLTs da vida], como o caso de uma juíza que é acusada de trabalhar pouco ou fazer corpo mole no batente..., foi aposentada!

Maravilha, não? Agora a dita cuja pode fazer corpo mole em casa, numa boa sem perder nadinha dos seus proventos, como se diz.

E aí, o que achou. Não é mesmo uma boa ideia?

O detalhe interesse é que ela foi gravemente punida. Pode? Que leizinha maneira, não?

“A Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman) prevê a aposentadoria compulsória como uma das punições mais graves contra juízes togados que cometem irregularidades”

Ela vai continuar recebendo, como punição, o salário de R$ 27,400 mil.

Obs. Sabia que o salário pode se multiplicar até, tantas são as vantagens adicionais que eles, a maioria quando na ativa, recebe.

Tipo:

(...) direito a carro oficial com motorista e benefícios extra salariais como auxílio-saúde, auxílio-moradia (só 4,5 mil reais, mesmo para quem já tem casa), gratificação natalina, verbas de representação, auxílio-funeral, auxilio pré-escolar para cada filho, abonos de permanência e auxilio alimentação.

Só mais esta: Ainda tem detalhes como 60 dias de férias, “como todo bom trabalhador”.

Só isso!

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanha

*

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

Próximo de guerra civil o responsável pela eventual dita cuja é indicado ao Nobel da Paz

Adolescente de 17 anos assassinou dois manifestantes em protesto de movimento negro nos EUA

Parece piada, mas não é.

O Trump foi mesmo indicado ao Prêmio Nobel da Paz. E isso seria por uma hipotética atuação sua em situação de paz no Oriente Médio.

Parece gozação porque historicamente depois de Guerra Civil em 1860/1865, quando o país esteve próximo de se transformar em dois, em função de uma violência armada crescente hoje, ele nunca esteve tão perto de repetir o ‘evento histórico’ do passado.

O racismo estrutural que permeia o inconsciente coletivo no país foi ou vem sendo turbinado por manifestações, falações e atitudes do próprio candidato ao Nobel da Paz.

Já existem previsões pessimistas segundo as quais os EUA não têm mesmo como fugir de uma guerra cível em futuro próximo. Guerra esta que já se insinua no cotidiano em conflitos armados crescentes e mortes, envolvendo grupos negros e brancos assim como de esquerda e de direita.

Para se ter uma ideia: “há mais armas do que pessoas nos Estados Unidos. Segundo pesquisa do Instituto de Pós-Graduação em Estudos Internacionais de Genebra, na Suíça, os EUA tinham em 2017 uma população de 326,5 milhões de habitantes. O número de armas de fogo em poder de civis era de 393,3 milhões no mesmo ano”.

O que equivale a mais de uma arma por pessoa.

Só a título de comparação, no Brasil que teve um aporte radical de armas vendidas no atual governo, para uma população de 211,2 milhões de pessoas, havia 17,5 milhões de armas, ou seja, conforme a mesma pesquisa feita em 2017, logo anterior ao grande aporte no mercado em período recente.

É bom lembrar que não se trata de “espingarda de carregar pelo cano”, como se diz, de revólver 32 ou 38..., coisinhas assim. Mas de armas de até então uso exclusivo dos exércitos em qualquer país, exceto nos EUA e, agora, no Brasil.

Um objeto de desejo comum é o AR15, o mesmo que o adolescente usou para matar as pessoas nos EUA (na imagem). Os preços variam, mas podem chegar a U$3 mil ou aproximadamente R$18 mil. Perfeitamente compatível com o poder aquisitivo de um salário mínimo [R$1.039] recentemente reduzido.

Este carinha de plantão no Planalto continua insistindo sobre a necessidade de armar a população.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

 

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

E por falar em fake... Nunca saiu de moda, sobretudo as oficiais

Veja um exemplo de um dos grandes heróis nacionais e que acaba de passar pela maquina de lavar reputação do STF.

Por uma folha corrida como esta que está sendo lavada por seus pares, em qualquer país em estado decente ele estaria enfrentando o paredão, literalmente.

O seu companheiro de falcatruas? Está indo pelo mesmo caminho e conta com o seu voto em 2022.

Veja:

“Para você ter uma ideia de quanto essa gente exagerou, exorbitou, na última postagem que eu fiz, nós fomos obrigados a retirar 5 mil perfis que foram contratados pelo Deltan Dallagnol através de uma empresa que presta serviços publicamente. Não se sabe se com dinheiro público ou não”, disse Renan. “Não se sabe quem paga essa conta para elogiá-lo. Ou seja, eles vivem em campanha política permanente”. (…) Mais...

 Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

terça-feira, 8 de setembro de 2020

Espera-se que o Brasil real, mesmo, esteja por aí e, ainda, resgatável

A cara do Brasil hoje.

É ilegal, irracional e agressivo com as pessoas*, sobretudo com as crianças.

Fatores estes que, a bem da verdade, não existem, nunca existiram em sua cabeça desiquilibrada. Sabe-se lá o que turbinou a ‘mulera’ de tantos eleitores...

Talvez sintonia e assim tiveram a oportunidade de se realizarem e se locupletem por projeção, inclusive com todas as demais barbaridades e crimes mesmo, que ele se dá ao deleite e desafia as instituições há um bom tempo.

Daí o grande apoio que continua tendo.

A psiquiatria ajuda a explicar, a entender...

*Sem máscara e embolado com as crianças, desafiando a lei, as recomendações médico/científicas, bom senso e um ‘traço’ da autoridade do cargo como exemplo.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

7 de setembro

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Marco do 7 de setembro 2020. Carteira de Trabalho Verde e Amarela

Quando se relativiza o próprio conceito de independência...

Neste 7 de setembro 2020 em tempos tão tenebrosos assim, temos um marco radical. A Carteira de Trabalho Verde e Amarela, ou o símbolo do retrocesso do Brasil à era pré-industrial.

Veja a cara da coisa segundo o economista Luiz Gonzaga Belluzo:

“Só perda de direitos…

Sim, só isso. Agora querem o projeto de lei que estabelece a carteira de trabalho verde e amarela. O que é isso? Salário por hora, que também é uma forma de você dispensar as empresas de respeitar os direitos dos trabalhadores. É muito grave o salário por hora, porque vamos retornar ao regime de contrato de trabalho anterior à revolução industrial, o regime do putting-out, em que você pagava por hora, ou por peça etc. Ou seja, você está dissolvendo as relações salariais. E o efeito disso sobre a economia vai ser muito grave. Porque vai deprimir violentamente o poder de compra da massa de trabalhadores”. [Carteira de trabalho]

Tempo de serviço, estabilidade mínima, Férias, 13º, FGTS, aposentadoria...

É como uma espécie de coerência com a nova condição do país. Condição esta que chegou de maneira sutil, mas que funcionalmente dá no mesmo, ou seja, sua nova condição de colônia, onde o conceito de independência do 7 de setembro, não passa de uma metáfora.

É como se diz, voto parece uma mera formalidade, mas este carinha colocado aí vem provando que é bem mais que isso, mais que um mero dever cívico, uma obrigação.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

domingo, 6 de setembro de 2020

O COVID veio como se por encomenda. Clima para o bota fora em surdina. É a vez da água

O Bolsonaro e toda armação em torna de sua eleição, toda a fraude está bem fundamentada em interesses radicais que vão, como sabemos,  bem muito além das fronteiras.

Aliás, ‘os locais’ não passam de meros coadjuvantes de interesses multinacionais que escolheram o Brasil – com o Golpe na Dilma – para retomar o poder sobre o país, que vinha sendo desviado nas administrações pós-FHC, ou seja, administrações petistas.

É isso, o resto todo mundo já sabe. É o pior vive, sente na pele no cotidiano.

Uma das funções do Bolsonaro [senão a função] é distrair a galera com suas loucuras, enquanto o que tem de ser feito é feito em surdina, com pouquíssimo ou nenhum reflexo na mídia oficiosa, o que acaba que quase ninguém fica sabendo, sobretudo antes do fato consumado.

É o caso da privatização da água, uma das maiores reservas hídricas do planeta, que já está em pleno andamento pelos corredores do Congresso, com parlamentares em sua maioria vendida e antinacional.

Veja:

(...)

Existem cidades no México em que os bairros mais pobres dispõem de água corrente apenas em alguns momentos, em determinados dias da semana, obrigando a população comprar água extra. O resultado é que, em determinados lugares, os moradores tomam Coca-Cola, ao invés de água, por ser aquela mais fácil de conseguir, além do preço ser praticamente o mesmo. Há moradores destes locais que consomem 2 litros de refrigerante por dia, com consequências inevitáveis para a saúde pública. (O grifo é nosso)

(...)

Sabe-se que a Coca-Cola disputa água no mundo todo e certamente não o faz por razões humanitárias. Uma unidade da empresa é acusada de ter secado as nascentes em Itabirito, na região metropolitana de Belo Horizonte. A fábrica, segundo as organizações de defesa do meio ambiente, secou nascentes dos rios Paraopeba e das Velhas – responsáveis por quase todo o abastecimento de água de Belo Horizonte. (O grifo é nosso)

(...)

Veja mais em privatização das águas.

As elites locais por aí, como aqui, estão se lixando para o país e para a população e só querem levar o seu, e o governo recém-eleito por aqui veio de encomenda, ‘foi como juntar a fome com a vontade de comer’.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

sábado, 5 de setembro de 2020

Veja/Exame disse que não tem mais pra ninguém. Bolsonaro 22

Bolsonaro leva no 2º turno. É isso, não duvido, mas se até a Veja/Exame resolveu faturar um pouco mais editando pesquisas pró-governo..., sei não. Já não bastava o DataFolha. Esperemos o Ibope/Globo em sua briga como Bolsonaro. Pode até mesmo ser um bom pretexto para fazerem as pazes@ChargesHumorCia

Conforme o artigo ele leva sobre o Moro e Lula.

Tem muita gente que não tem a mínima ideia de nada [me refiro ao eleitor], efetivamente, e que é a matéria prima preferencial das faks, inclusive de uma assim. Aparentemente mais elaborada, com cara de coisa seria como uma pesquisa formal, aspas.

Aspas porque a estatística é uma ciência bem fluídica, que permite inúmeras intenções, opções e adaptações, sem falar que quase sempre não informa assim de fachada, detalhes importantes como as margens de erro, por exemplo.

Margens de erro que, por exemplo, podem ser usadas “pra cima ou pra baixo” relativizando o valor do índice final, ou optado como final e divulgado.

Isso se ela for usada mesmo, a estatística propriamente dita. Pois ainda têm inúmeras variantes que relativizam e muito o resultado, a depender, sobretudo, de quem está fazendo.

Logo, uma pesquisa da Veja/Exame [instituto fresquinho] pode concluir e achar o que quiser [ou for encomendado].

O objetivo claro, é que tem [e como] eleitores extremamente vulneráveis...

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*