sexta-feira, 27 de novembro de 2015

A “organização dos imbecis”. Como poderia ser a resistência?


Seguem estas frases e citações abaixo a título de apresentação deste excelente artigo. Vale à pena dar uma olhada. Todas entre aspas.

 - Keith Olbermann, comentarista esportivo e político norte-americano, em entrevista a Bill Maher, comentando o debate dos candidatos republicanos, disse que muitos deles, senão todos, pareciam sessão de comentários do feicebuque como candidatos a presidente do país.

  - “Os burros estão por toda parte, muitos deles estudaram nas melhores escolas e, o pior, muitos ensinam nas melhores escolas. A ‘moção de repúdio’ a Simone de Beauvoir foi aprovada pela Câmara de Campinas por 25 votos a cinco. Assim, os burros são a maioria. É preciso enfrentá-los com pensamento, fazer a resistência pelo diálogo”.

 - Estas reflexões sobre o mundo internetês seguem a mesma linha de pensamento de Umberto Eco quando diz que “a internet deu voz aos imbecis”, e a Juan Arias, que vai mais longe ao afirmar que ela “organizou os imbecis”.


 - ... Jarbas Passarinho quando da edição do AI- 5 em 1968, quando disse: “Às favas, senhor presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência.”
(O ícone mor da ditadura de 64).

 - “Precisamos acabar com essa raça”, referindo-se aos políticos de esquerda – principalmente o PT. Disse o ex-senador catarinense Jorge Bornhausen (PFL, DEM e agora no PSD), em 2006. 
"A internet como um espaço midiático para a “burrice máxima”
Keith Olbermann, comentarista esportivo e político norte-americano, em entrevista a Bill Maher, comentando o debate dos candidatos republicanos, disse que muitos deles, senão todos, pareciam sessão de comentários do feicebuque como candidatos a presidente do país. A ironia nem é fina. É sarcástica. Para mim, soou como um eufemismo para evitar chamá-los de burros. Que é como Eliane Brum faz, sem meias palavras, no seu artigo “Parabéns, atingimos a burrice máxima”.

Vale reproduzir um parágrafo deste artigo onde está dito o seguinte: “Os burros estão por toda parte, muitos deles estudaram nas melhores escolas e, o pior, muitos ensinam nas melhores escolas. A ‘moção de repúdio’ a Simone de Beauvoir foi aprovada pela Câmara de Campinas por 25 votos a cinco. Assim, os burros são a maioria. É preciso enfrentá-los com pensamento, fazer a resistência pelo diálogo”.

No caso de Eliane Brum, ela foca o Brasil que exala e “cheira mal” nas sessões dos comentários das mídias sociais. No fundo, é o mesmo (des)espírito denunciado por Keith Olbermann na dita entrevista se reportando, por sua vez, ao público americano. Estas reflexões sobre o mundo internetês seguem a mesma linha de pensamento de Umberto Eco quando diz que “a internet deu voz aos imbecis”, e a Juan Arias, que vai mais longe ao afirmar que ela “organizou os imbecis”.

Na esteira destas reflexões ouso afirmar que, concordando com estes pensadores, percebo algo mais assustador, que é a opção da grande mídia brasileira pelo pensamento conservador e mesmo reacionário dos grotões. Grotões que sempre foram sinônimos de redutos da direita mais retrógrada. Grotões que funcionavam como o último reduto do coronelismo político. De certo modo, faz sentido esta opção, já que a grande mídia opera, segundo o estudo Coronelismo Eletrônico de Novo Tipo (1990-2004), de Venício A. de Lima e Christiano Aguiar Lopes, um coronelismo midiático. Coronelismo midiático porque agora o público-alvo da manipulação ideológica é urbano. Novos tempos, novas técnicas.

De espaço geográfico a espaço midiático

Os grotões – alguns preferem chamá-los de senso comum conservador –, que sempre habitaram a cabeça das pessoas dos mais variados e diversos perfis, passaram da condição dos comentários feitos no dia a dia e ganharam o estatuto de opinião ao se apresentarem por inteiro nas sessões de comentários da internet. 

Logo, nada mais natural em uma mídia voltada para o mercado do que escolher os mais representativos desta fauna. Raciocínio prático e raso voltado não para a formação de um cidadão com alto grau de civilidade, mesmo quando conservador e/ou de direita.

Estamos diante de uma reedição pela grande mídia, guardadas as proporções, do discurso de Jarbas Passarinho quando da edição do AI- 5 em 1968, quando disse “Às favas, senhor presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência.” A frase, que foi modificada na ata sem prejuízo de sentido (as “favas” foram trocadas pela conjugação verbal “ignoro”). Às favas valores democráticos que mais entravam o avanço ou a manutenção dos interesses dos mais ricos, entre os quais estão os donos de jornais, revistas semanais, TVs e rádios. Como Getúlio Vargas e João Goulart antes, o PT no governo demonstrou não ser confiável na defesa intransigente destes interesses, apesar das concessões feitas de blindagem dos interesses dos rentistas e investidores, a solução é a dada pelo ex-senador catarinense Jorge Bornhausen (PFL, DEM e agora no PSD), que em 2006 disse “Precisamos acabar com essa raça”, referindo-se aos políticos de esquerda – principalmente o PT. Raça dos que defendem reformas que muitos consideram tímidas, mas que representam muito para grande parcela da população.

A razão disso. Além das já comentadas, existe outra que me parece determinante. A saber: a falta de argumentos racionais para defender ideias conservadoras e reacionárias. Fato que se agravou com a quebra de 2008 quando justamente o neoliberalismo era hegemônico, sem nenhum contraponto ideológico depois do fim do socialismo real e a queda do muro de Berlim. Sem ninguém para confrontá-los, eles quebraram o mundo ao por em prática suas ideias sociais, econômicas e políticas. Segundo os seus mais entusiasmados adeptos, como o ex-presidente FHC, estávamos diante de uma nova renascença. Deu no que deu. Como se não bastasse, tiveram que ser socorridos pelo demônio Estado. Tudo na contramão dos ensinamentos do Corão do neoliberalismo, o Consenso de Washington.

Como no contexto atual ficou difícil promover um golpe militar, o novo paradigma é o modelo paraguaio de inviabilização de governos eleitos democraticamente com um mínimo de compromisso com as classes desfavorecidas. Modelo que implica ataque sistemático da imprensa, aliado a questionamento jurídico da vitória eleitoral feito por aliados no judiciário. Daí a opção da grande mídia pelo pensamento anti-republicano dos grotões que habitam o coração e a mente das pessoas. Faz todo o sentido esta nova opção dado que os grotões, ao se corporificarem nas sessões de comentários da internet, passaram da condição de um espaço geográfico apenas para, também, e principalmente, um espaço midiático pautando e sendo pautado, em um ciclo vicioso, por editoriais, colunas de jornais dos formadores de opinião de direita e espaços nobres da TV e rádio.

Por Jorge Alberto Benitz, no Observatório da Imprensa

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá!

Bem vindo, a sua opinião é muito importante.